Colheita de feijão deve reduzir preço ao produtor

sexta, 08 de Novembro de 2013

Olga Leiria/17-06-2013
Consumidor pode esperar o barateamento do feijão nas gôndolas a partir de dezembro
A colheita da primeira safra de feijão no Paraná começa nas próximas duas semanas e deve reduzir os ganhos dos produtores nos próximos meses, mas não a cotação abaixo do preço mínimo atual, de R$ 95, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Houve recuperação da área plantada e da produção em relação ao ano passado, quando os baixos preços desestimularam o agricultor a cultivar o grão. Por isso, o consumidor pode esperar o barateamento nas gôndolas a partir de dezembro.

O valor pago ao produtor pela saca de 60 kg do feijão de cor, que teve a cotação média à beira dos R$ 200 em maio, caiu mensalmente até ficar em R$ 116 em outubro. No caso do preto, que representa 60% da primeira safra paranaense, o valor tem variado e fechou o mês passado em R$ 138, acima dos R$ 130 de maio. Os números são do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab).

Para os próximos meses, o ex-presidente e técnico da Conab no Paraná Eugenio Stefanelo afirma que a queda no valor do grão não deve preocupar o agricultor. "Mesmo com a entrada de safra nova, deve ficar acima de R$ 95 por saca", diz. Ele lembra que houve aumento da área plantada, mas ainda não nos níveis de 2011, quando o preço chegou a despencar para R$ 64.

Na ocasião, as plantações no Estado somavam 247 mil hectares. O baixo valor fez com que parte dos produtores substituísse a cultura pela de soja em 2012, quando a área ficou em 214 mil hectares, conforme o Deral. Com a influência de problemas climáticos como seca e frio intenso, a produção em 2012 foi reduzida e o preço disparou.

Para a safra 2013/14, a área aumentou para 231 mil hectares no Estado, 8% maior do que no ano passado. A previsão de produção é de 424 mil toneladas, 29% a mais do que as 329 mil da anterior. O economista Marcelo Garrido, do Deral, diz que a perda de espaço em 2012 ocorreu para a soja e que o crescimento deste ano foi sobre a área de cultura de milho, que também tem perdido espaço para a oleaginosa.

Ele não arrisca afirmar se o preço do feijão cairá demais, mas não crê em problemas em médio prazo. "Em dois ou três meses, a recuperação da oferta no País, e não apenas no Paraná, não deve ser tão rápida para derrubar as cotações", conta Garrido.

Stefanelo prevê a estabilização dos preços. "Acredito que fique em um patamar bom para o produtor e para o consumidor. É melhor do que do jeito que foi no ano passado, bom para o produtor, apenas."

O técnico da Conab lembra também que o País precisou importar na entressafra para conseguir uma redução nos preços nos últimos meses, o que mostra que há espaço para a oferta crescer até que possa atender à demanda nacional.

No Brasil

70-413 70-486 70-533 810-401 C4040-250 SY0-401 70-462 70-483 70-480 100-101 400-101 CISSP 640-554 70-332 220-802 70-331 070-461 JN0-332 070-411 070-486 070-488 70-411 70-417 70-685 70-532 9L0-422 220-801 1Z0-803 3I0-012 ICGB 070-410 70-341 300-101 70-464 70-466 70-463 70-534 1Z0-052 SG0-001 TB0-123 74-343 350-050 1Z0-062 MB2-700 LX0-102 C4040-251 300-115 070-331 FCNSP.v5 70-488 CLAD 350-018 70-414 S90-01A SY0-401 70-462 70-483 70-480 100-101 400-101 CISSP 640-554 70-332 220-802 70-331 070-461 JN0-332 070-411 070-486 070-488 70-411 70-417 400-101 300-320 CISSP 350-018 300-208 210-260 400-201 300-101 MB2-707 70-462 100-101 200-310 EX200 SY0-401 1Z0-803 1Z0-434 9L0-012 1Z0-808 CAS-002 1V0-601 70-480 300-070 2V0-621 1Z0-067 AX0-100 MB5-705 400-051 642-999 ICBB PMP PRINCE2 FOUNDATION 70-417 ICGB 300-135 640-692 102-400 VCP550D 70-463 9L0-066 OG0-091 70-980 PR000041 74-344 70-981 599-01 CV0-001 OG0-093 070-462 70-461 LX0-104 IIA-CIA-PART3 712-50 1Z0-061

Fonte: noticias agricolas